domingo, 23 de abril de 2017

O fato eu conto como foi! ( 1 ) INICIALIZAÇÃO!

Inicialização! 


Queridos leitores, a partir de hoje, nem sempre com a frequência necessária, estarei contando casos e causos da política alagoana, aonde eu presenciei ou fui protagonista também. A bem da verdade será um pouco da minha própria história e a de tantos outros camaradas e companheiros, a maioria ainda por aí, tentando construir um novo mundo, um novo recomeço.

Estarei também neste período, escrevendo e dando meus palpites sobre a situação atual de Alagoas, no Brasil e no mundo, é muita ousadia de minha parte, mas vamos tentar expressar opiniões que vem de dentro, da mais profunda paixão em querer transformar tudo que aí está sem medir esforços e sacrifícios pessoais!

Bom, filho de família de classe média, cristã, católica, nasci em Maceió, mas fui criado em Penedo, cidade histórica e belíssima do interior alagoano. Quando eu tinha nove anos, meu pai foi trabalhar em Arapiraca, lá pelos anos 1973, fomos morar na Rua do Estudante. Fomos morar numa casa quase de esquina, vizinho ao temido colégio” Instituto São Luís”.

Era uma casa antiga, com aqueles corredores compridos e sem forro, quer dizer, choveu era um deus nos acuda. Era uma casa alugada, enquanto meu pai tentava vender a casa de Penedo, que era uma casa grande, com vários quartos, salas enorme, um jardim com pinheiros, um quintal amplo, aonde fazíamos dele um lugar de brincadeiras, além do campo, com gramado e tudo mais, só faltava arquibancada!

Em 1974 nos mudamos para eterna Rua Monsenhor Macedo, era uma casa grande, com três salas enormes, quatro quartos, o mais importante que nós iriamos ver com o tempo, uma vizinhança arretada demais.

O único problema daquela casa, número 165, bem no centro da cidade, era não ter um quintal grande, pelo contrário, era bem apertadinho, embora tivesse uma dependência atrás.

Praticamente foi ali, dos dez anos até os 16 /17 anos que passei um dos melhores momentos da vida, sem muitas preocupações, era uma combinação bem estar, amizades e os primeiros amores e beijos.

Jogar bola na rua, ou dentro da igreja Presbiteriana (essa foi boa), jogar no colégio Quintela Cavalcante, ou no Tibúrcio Valeriano, aos sábados à tarde, era a rua e seus jovens em grande movimento esportivo, fundamos até um time, o Caveirinha Futebol Clube, tinha esse nome porque foi montado pelo seu “Lula”, o dono da funerária que tinha na rua!

Quantos personagens tinham numa rua só, era uma rua completa, do intelectual ao cara que consertava rádio, do cara que bebia demais, ao professor zeloso de Educação Física, das sempre fofoqueiras da rua, era uma grandeza!

Nós jovens éramos divididos claro pela faixa etária, os mais velhos, tipo três ou quatro anos mais, era uma turma, nós, da minha faixa, ali beirando os onze ou doze anos era outra turma, mas que convergiam todos, geralmente no cair da noite, no batente da Igreja Presbiteriana, era ali o nosso “senadinho”, não escapava um das nossas línguas ferinas!

Entre festinhas, que em Arapiraca dávamos o nome de “assustado”, entre paqueras na Praça Marques, matinê no Trianon nas segundas, e namoradinhas a vida foi passando mais a política ainda passava muito longe do nosso imaginário.

Sim, ia me esquecendo, uma coisa que mexeu muito em Arapiraca, com aquela geração foi o retorno do ASA ao campeonato estadual, com campo novo, gramado e com refletores, era a glória, não havia um domingo ou uma quarta feira que não fôssemos ao “Colosso Fumeirão”! E olha, nem precisava ser torcedor do ASA, bastava gostar de futebol. Eu como CRB, fui muitas vezes ao estádio, torcer pelo alvinegro, principalmente contra o CSA.

Mas como escrevi um pouco acima, política era coisa pouco falada por nós, lembro que uma vez, em 1981, numa daquelas matinês, um dos nossos amigos ali de colégio, um pouco mais antenado com o mundo, comentou sobre o atentado do Riocentro, a direita explodiu-se literalmente com uma bomba nas mãos dentro de um carro. A bomba era para ser colocada dentro do Riocentro, onde estava acontecendo um show de Chico Buarque, Milton Nascimento, Simone e outros grandes músicos da MPB, em homenagem ao dia do trabalhador.

Lembrar aos mais jovens, que em 1981 ainda vivíamos a ditadura militar fascista, instaurada em nosso país em 1964. Ela estava começando a cair, mais ainda havia tentáculos importantes em sua condução, que não queria a abertura política, ai começou a colocar bombas em bancas de revistas, sedes da OAB, inclusive matando uma secretária, eram ataques terroristas da direita mais radical, juntamente com os militares linha dura, que não queriam perder espaços dentro do regime ditatorial.

Então, esse colega, Henrique Borges, um pouco mais novo, acho que um ano, comentava com a gente, sobre aquele episódio, mas era uma coisa muito distante, em Arapiraca, apesar do trabalho com a Tribuna da Luta Operária, jornal de agitação de massas do PC do B, partido proscrito e clandestino, que era feito pelo Luciano Barbosa (atual Vice-governador e Secretário de Educação) e Eures Tadeu, principalmente na feira, mas não chegava a nós, principalmente dentro do Colégio Bom Conselho aonde eu estudei a maior parte da minha vida em Arapiraca.

Em 1979, em pleno processo de abertura política, meu irmão Fernando Mota, mais politizado do que eu, já tinha se envolvido mais politicamente, apoiara a candidatura do MDB a prefeitura de Arapiraca em 1976, quando João Nascimento vai ganhar as eleições do partido da ditadura, a Arena, com dois candidatos a prefeito, o casuísmo político da época é que os dois candidatos da Arena, somados os votos dos dois, podia vencer o João Nascimento do MDB.

Pois então, meu irmão me fala de uma música de Geraldo Vandré, lembro bem, era um cair de tarde, nós dois ouvindo a Rádio Globo do Rio, esperando um programa de esportes que começava às 18 horas, antes tocou a música “Pra não dizer que não falei de flores” ou “Caminhando”. Ele me contou que essa música fora banida de todos os lugares, em rádios ou TV era proibido veicular, eu contava com 15 anos, começava ali a despertar para a ideia de novas concepções!

Continua...



terça-feira, 18 de abril de 2017

Engodo Histórico!



Nesta quadra política atual, o Brasil passa a ser refém do capital parasitário, vítimas que somos de um governo golpista, que tudo fizeram para solapar uma Presidenta eleita com mais de 54 milhões de votos, numa associação e conluio miserável entre mídia, judiciário e políticos oportunistas e conservadores de vários espécimes.

Se o leitor prestar atenção, toda essa pauta colocada pelo governo Temer, que anda cada vez mais impopular, chegando à última pesquisa com apenas 5% de apoio ao seu governo, não foram em nenhum momento discutidas em 2014 pela chapa vencedora das eleições presidenciais.

Torna-se então um verdadeiro embuste, querer agora mudar as regras da aposentadoria e querer mexer com a vida da classe trabalhadora, propondo uma mudança radical na CLT, é de ignominia abominável, coisa de governante verdadeiramente “Lesa-Pátria”!

Além de ser um governo entreguista, o governo Michel Temer, tem como aliados ainda uma mídia traidora, também golpista até o talo, capitaneada pelas Organizações Globo e pela Editora Abril, que desde 2013, nas famosas manifestações de junho daquele ano, aproveitam o vazio de respostas do governo petista para montar uma farsa como a Lava a Jato e quebrar o país por inteiro.

O judiciário, tendo a frente os arautos da honestidade do Ministério Público de São Paulo, juntamente com o Juiz de primeira instância Sérgio Moro, passam para a opinião pública, (claro está, com o beneplácito da mídia golpista), que a partir dali, as figuras mais importantes da República seriam investigadas e caso comprovadas suas culpas (nem sempre foi assim, muitos dos que foram condenados foi através de delações de outros envolvidos) levadas à prisão.

Hoje fica mais claro que o golpe não foi por questões éticas, tal como Getúlio Vargas um dia, ou como Juscelino Kubitschek, que tantas vezes fora criticado asperamente por Carlos Lacerda, como “ladrão e corrupto”,  com o apoio já naquela época das Organizações Globo, comandada por Roberto Marinho.

Notadamente os governos de Getúlio Vargas e Juscelino Kubitschek foram vitimas da infâmia entreguista encrostada numa parcela da burguesia nacional,  sócia menor do imperialismo estadunidense. Foram combatidos os dois estadistas, por serem nacionalistas, mais que isso, porque tiveram a compreensão de termos um projeto de estado, de nação, diametralmente oposta aos ditames norte-americanos.

A mesma ignóbil campanha nós vimos acontecer de novo, com o golpe parlamentar-midiático-jurídico, ao governo Dilma e uma campanha de aniquilamento de um partido, não somente um partido, mas  todo pensamento mais a esquerda da sociedade, num conluio de interesses que beirava o histerismo mais odioso e chinfrim.

A burguesia nacional associada do capital internacional é aquela que desfila pelos “Shoppings” com os pés aqui, mas a cabeça em Miami ou na Disneylândia. Esta burguesia se submete ao capital internacional, rasteja aos pés do grande “amo do Norte”, flerta com o fascismo, discursam e descarregam toda sorte de posições conservadoras e decadentes, entregam o país inteiro, suas riquezas e patrimônios (as ruas aos milhões), aos seus patrões estrangeiros, todos eles com o falso discurso moralista.

O que estava por trás das críticas a Getúlio Vargas em 1954, Juscelino entre 1956-60 e agora a Lula e Dilma, tem haver com dois projetos, um de caráter nacional e desenvolmentista, outro de caráter entreguista para as grandes nações. A corrupção entra como a cereja do bolo, serve para enfeitar o discurso da direita mais reacionária, é um discurso que pega fácil, ganha multidões ensandecidas, que mal sabem que está sendo vítimas dos próprios vermes que as fazem gritarem e protestar, vivemos mais um engodo, o grande prejudicado será mais uma vez maioria do povo, infelizmente!



domingo, 2 de abril de 2017

E você, continua ainda nessa de partido?




Até qual dia, mês ou ano, você pode fazer militância em um partido político, especialmente de esquerda ou mais especialmente nas fileiras do Partido Comunista?

Faço esta pergunta, meio que perplexo, por entender que não existe nem hora, dia, mês ou ano para você deixar de fazer a militância diária.

Obvio que a militância comunista se dá em vários níveis de atuação, o militante pode desempenhar a sua atividade no Movimento Estudantil, Sindical, Político ou Institucional, isso são tarefas que são dadas, em cada uma delas o militante tem a incumbência de fazer crescer o partido, alargar os conhecimentos adquiridos para outros e assim fazer com que a sociedade possa admitir o Partido Comunista como uma força preponderante na perspectiva de suas ideias e programas políticos.


Mas voltando ao tema, em que idade uma pessoa deve parar de fazer política, especificamente a revolucionária?

Incrível isso, encontro sempre remanescentes de uma época, de uma determinada época, em que todos jovens queriam mudar o mundo às avessas. A história não para, de vez em quando alguns senhores, engomadinhos, me pergunta se eu, por exemplo, ainda estou nessa, que coisa mais absurda, e a nossa militância comunista tem tempo de validade?

Claro que um dia vamos parar, quando morrermos paramos, é a Lei Natural, não vai ter mais jeito, mas enquanto vivos, não na esperteza de alguns, que de forma oportunista só vê o partido como algo em que ele possa se dar bem, típico militante pequeno burguês, que um dia vai dizer todo orgulhoso para os netinhos, eu já militei nesta organização, que coisa maravilhosa, mas parei porque eu tinha que cumprir com a tarefa de todo ser humano, constituir uma família, trabalhar, não sobrou mais tempo para a aventura se ser comunista!

Ora, isso é puro diletantismo pequeno burguês, fosse assim, Luís Carlos Prestes e João Amazonas, dois dos maiores comunistas do Brasil, não teriam militado até o suspiro final, empenhados em construir uma ferramenta de luta para a classe operária, os trabalhadores em geral, para suplantar o capitalismo e a construção do socialismo.

Confesso que fico constrangido, não por mim, mas por essas figuras, que muitas vezes pegam o trem andando (entram em uma estação, descem na próxima, ou muitas vezes passam um tempo ainda grande, até chegar à conclusão que aquela viagem tem que ser em carro particular, porque jamais pensou coletivamente, sempre individualmente), nunca compreendeu o que de fato é ser comunista, nunca compreendeu de fato o que é ser de um partido comunista, apenas está ali para atrapalhar, para beneficio próprio se dar bem na vida!

Nos atos públicos, quando encontramos figuras assim, fico a perguntar quantas vezes ele ou ela se permitiram segurar uma bandeira do partido, conscientizar de fato a classe operária, parece deuses iluminados, que passando um período entre os pobres mortais, se elevam ao olimpo, e de lá traçam seus planos mirabolantes, sobra tempo ainda para desdenhar de quem de fato ainda continua na luta, como se isso fosse coisa de um passado tão longínquo que não é mais permitido a pessoa fazer militância!

A luta é contínua, ser comunista não é da boca para fora, tem que ter muito paciência na construção coletiva, esta ainda é o único caminho na construção do novo homem e da nova mulher em uma sociedade muito mais avançada, a sociedade socialista!

Militamos pela causa mais justa e verdadeira, o socialismo! Militamos porque esta nossa saga, a nossa história não nos permite voltar atrás. Olhamos para o passado, quantos se doaram nesta construção, quantos foram vitimas infame da reação burguesa e capitalista, quantos foram torturados e mortos, mas nenhum deles abdicou do sonho de construir o partido comunista, da construção do socialismo, portanto da visão coletiva, não individual!

Por todos eles militamos, independente de tempo e idade!



José Nivaldo Mota- Vice-Presidente do PC do B em Maceió; Dirigente Estadual do PC do B.
quarta-feira, 29 de março de 2017

PC do B 95 anos: Uma trajetória vitoriosa!


Na semana que passou, o Partido Comunista do Brasil, que começou com a sigla PCB, completou 95 anos, fundado que foi em 25 de março de 1922. Uma saga, considerando os partidos políticos em nosso país.
Nas primeiras décadas, foi forjado com a sagacidade dos antigos anarquistas, que vislumbrando novas perspectivas para a classe operária, avançam na compreensão de que a luta teria que passar pela fundação de um partido comunista de linha leninista.
Astrogildo Pereira foi o seu principal quadro político nos primeiros anos, mas não poderíamos de deixar de ressaltar dois grandes lideres, no primeiro momento com linhas anarquistas, mas a partir de 1922, com um posicionamento comunista, Otávio Brandão, alagoano, que será um dos principais quadros do partido. O outro será Antônio Canellas, carioca de nascimento, mas que atuou em Alagoas, na cidade de Viçosa, entre 1916 a 1919, junto com Otávio Brandão, elaborando jornais anarquistas. Depois de 1922, Antônio Canellas entrará para o partido, sendo o representante do PCB no 3º Congresso da Internacional Comunista, em Moscou, no ano de 1924.
O Partido Comunista do Brasil viveu a maior parte de sua existência na clandestinidade, valorosos combatentes do comunismo, tiveram a capacidade da resistência de manter viva a chama da ousadia revolucionária e perspectiva socialista.
Até 1962 o grande dirigente do partido foi Luís Carlos Prestes, líder inconteste, militar por formação, se filiará em Moscou, voltando ao Brasil antes do levante de 1935. É preso, sendo solto apenas em 1945, com o fim da ditadura Vargas.
Aliás, desde 1937, com a decretação do Estado Novo por Getúlio Vargas, mais uma vez a democracia é restringida em nosso país. O Partido Comunista do Brasil vai ser o partido mais atacado, milhares são presos, quase toda direção nacional do partido vai estar encarcerada e outros fugidos, vivendo na mais tenra clandestinidade.
Coube a dois paraenses, João Amazonas e Pedro Pomar, mais outros tantos e combativos comunistas, reorganizarem o partido a partir de 1943, na 2º Conferencia do Partido, que passou a se chamar oficialmente como “Conferencia da Mantiqueira”.
Na década dos anos 1950, aconteceu um racha interno não só no Brasil, mas em todo movimento internacional dos comunistas. Com a morte do camarada Josef Stalin, grande líder e dirigente do Partido Comunista da União Soviética, setores oportunistas, de linha reformista e revisionista dos pressupostos do marxismo-leninismo, tomam a frente dos destinos da Pátria Mãe do Socialismo, corroendo como um câncer o grande partido de Lênin e Stalin.
Denuncias contra Stalin durante a leitura do chamado “Relatórios Secretos”, que Nikita Kruschev apresenta durante o XX Congresso do PCUS, em 1956, não passa de um engodo, de uma grande mentira, os ataques não eram para Josef Stalin, sim para Lênin! Procuravam e ainda procuram atacar Josef Stalin, mas no fundo o ataque é sim contra Lênin e os marxistas.
Esta situação levará uma cizânia em todos os partidos comunistas do mundo, com os reformistas assumindo as posições de Nikita Kruschev, enquanto os revolucionários tomarão o rumo de combate às práticas antimarxista e leninista do grupo de Luís Carlos Prestes e outros.
Os reformistas alteram o nome do Partido, mudam o seu estatuto, numa tentativa tresloucada, achando que a Justiça Eleitoral da época concedesse o registro e legaliza-se o partido. O nome do partido proposto pelos revisionistas, um novo partido é bom dizermos, será o Partido Comunista Brasileiro, inclusive eles usurpam a sigla, com o nome PCB.
A bem da verdade, esta tática escondia o rompimento com a visão marxista e leninista de partido. O momento agora era apoiar cegamente os desígnios de Moscou, estabelecendo a visão da tal “Coexistência Pacifica”.
Mas o setor revolucionário não se curvará, publicará a “Carta dos Cem”, denunciando o golpe interno e a mudança no perfil de atuação do partido. Serão expulsos, mas expulsos de qual partido? Ora, como seriam expulsos do tal Partido Comunista Brasileiro se eles nunca foram deste partido, sim do Partido Comunista do Brasil, fundado em 25 de março de 1922.
João Amazonas, Mauricio Grabois, Pedro Pomar, organizam a Conferencia de 1962, elegem um novo Comitê Central e para não serem confundidos com os revisionistas, colocam o “do” na nova sigla, passando a se chamar a partir de então de PC do B.
Passando pela heroica Guerrilha do Araguaia, aonde infringiu derrotas ao Exército brasileiro em duas tentativas. Passando pela “Chacina da Lapa”, aonde dois três dirigentes são assassinados, o PC do B cresceu, influenciando sobremaneira a política nacional.
”O Partido iniciou, naquela Conferência, a trajetória que, superando depois as graves ameaças da ditadura militar de 1964, prosseguiu a trajetória vitoriosa que, hoje, o transformou na referência comunista em nosso país, com mais de 90 mil militantes, mais de 230 mil filiados, organizado em todo o país e com uma participação intensa na vida institucional (pela primeira vez na história, em todos os níveis de governo, da Presidência da República a governos municipais, do Senado e da Câmara dos Deputados, às Câmaras de Vereadores), no movimento social (entre as mulheres, negros, jovens, associações de moradores, etc.) e na vida sindical, intensificada com a construção da Centra dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil”.

Uma trajetória vitoriosa!



segunda-feira, 13 de março de 2017

SÓ A LUTA MUDA A VIDA!

O imperialismo é o prelúdio da revolução socialista (Lênin, tomo XIX, pág. 71, prefácio de o Imperialismo, Fase Superior do Capitalismo).


Começo este pequeno artigo, com o pensamento voltado para compreensão dos fatos que nos rodeia, com uma enorme confusão política instaurada em nosso país, consequência do fim aparente de um ciclo politico iniciado em 2003 com Luís Inácio “Lula” da Silva e o Petismo.

Com o impeachment de Dilma, sacramentou-se a agonia de quase dois anos, de intensos ataques e bombardeios midiáticos, combinado com uma forte presença de um seguimento do judiciário, policia federal e outros, que colocaram na defensiva não somente um governo, mas também todo um pensamento de esquerda e progressista.

Apesar da contra ofensiva burguesa e do próprio imperialismo mundial, capitaneados pelos Estados Unidos, os setores burgueses/conservadores, encontram uma forte resistência dos povos do mundo inteiro, que não querem ser submetidos a um novo colonialismo, por isso lutam, não existirá paz no mundo enquanto o capitalismo existir!

A necessidade de uma reorganização e fortalecimento do comunismo a internacional é fundamental, no ano passado, no final de outubro, tivemos a o 18° Encontro Internacional de Partidos Comunistas e Operários. O evento foi sediado em Hanói, Vietnã e contou com a presença de 59 partidos e 108 delegados. O PC do B esteve presente, com destacada participação. A luta se dá a nível internacional, seja aqui no Brasil, seja na Inglaterra, Iraque ou Venezuela, é preciso unificar os setores mais avançados da sociedade, com os comunistas na primeira linha deste chamado, precisamos ganhar as consciências das mais amplas massas do povo!

Voltando para a nossa conjuntura política, com a vitória dos setores mais atrasados, conservadores, beirando o fascismo em alguns casos, quando do impeachment de Dilma, o nosso campo de atuação, vitorioso em 2002, desface com uma rapidez incrível! Se havia um centro na política neste período, ele foi ganho com todas as malas e cuias em 2016 para a direita mais conservadora.

Os setores golpistas, não consegue governar com tranquilidade, a crise política e financeira não foi fechada e estão longe de um desfecho favorável aqueles que usurparam 54 milhões de votos do povo brasileiro. Numa primeira sondagem para 2018, vê-se que estes setores não tem sequer uma candidatura competitiva para eleições presidenciais.

O PT, partido radical da socialdemocracia brasileira, com todos sabem, foi acusado de toda forma de corrupção, seus principais líderes foram praticamente desmoralizados via mídia e por um judiciário seletivo. A derrota eleitoral do PT nas eleições municipais de 2016, evidenciava uma conjuntura muito difícil para o PT, embora as pesquisas indiquem uma vitória de Lula em 2018, precisamos separar as coisas, Lula é um mito e o PT de conjunto sabe disso!



Mais que derrotar grupos ou personalidades em 2018, ou mesmo nos cursos das lutas que o movimento de massas vai ter que se deparar este ano ainda, o fundamental é derrotar à agenda perversa e conservadora, que está sendo imposta pelo governo fantoche das elites e do imperialismo estadunidense,  essa é a tarefa de todos, porque só a luta muda a vida!
quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

REFORMA DA PREVIDÊNCIA: AMPLIAR PARA RESISTIR E DERROTAR A PEC DA CRUELDADE!


Precisamos unificar as mais amplas forças da sociedade para combater o desmonte que se anuncia com a reforma da Previdência.
Esta semana ocorreu a segunda reunião na sede da OAB, secção Alagoas, que congregou vários sindicatos, confederações, federações, centrais sindicais, movimentos rurais e partidos políticos, todos de forma unificada, organizando a resistência a reforma da crueldade.
Importante salientar, que a primeira reunião, organizada pela própria OAB, contou com a presença de alguns sindicatos, foi de uma importância espetacular, para romper o cerco da estreiteza política de alguns segmentos, que no fundo gosta de falar para o próprio umbigo.
Mas para que este “fórum” seja ampliado, tem que formar uma coordenação permanente mais ampla, além da CUT e alguns sindicatos, é necessário chamar outras centrais, como a CTB, Nova Central, Força, CSP-Conlutas e ir somando forças para combater, não só a reforma previdenciária, mas também a trabalhista que se anuncia ainda mais nociva e cruel para a classe trabalhadora.
A Reforma Previdenciária quebrará a maioria dos municípios brasileiros, cuja economia gira em torno dos recursos dos aposentados e bolsa família, como os abutres que dirigem este país na atual quadra politica, quer acabar com estes direitos e avanços, os municípios e seus gestores, independente da coloração partidária, irá sofrer para administrar as prefeituras por falta de recursos. Faz-se necessário uma reunião com os prefeitos, este movimento tem que ira a AMA (Associação dos Municípios de Alagoas) para mostrar a real situação e ganhar para a nossa causa à maioria dos prefeitos.
Outra iniciativa importante é perguntando aos nossos parlamentares na Câmara Federal, se eles são a favor dessa Reforma. O SINPRO/AL foi o primeiro sindicato a perguntar via Redes Sociais, o resultado tem sido muito bom, interage com a base, que se pergunta mais sobre tal reforma, e coloca para os deputados no mínimo uma situação do sorriso amarelo, vai votar contra ou a favor dos trabalhadores? Claro que a intenção é inclusive ganhar o voto da maioria deles, mesmo do mais empedernido neoliberal!
Como bem disse o presidente da CTB a nível nacional, Adilson Araújo, em recente audiência com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, “que o povo pobre e trabalhador, não tendo condições de fazer uma poupança e economia, têm no sistema previdenciário público, sua grande poupança, quando chega à aposentadoria, ter pelo menos um mínimo para sobreviver”.


Mas com essa iniciativa do governo golpista, juntamente com a súcia, com a cambada de marginais, da corja que se apoderou do Planalto e do Congresso, o trabalhador terá que trabalhar até morrer, aposentadoria somente no caixão, isso não podemos aceitar, ou viramos este jogo, ou esta cambada de oportunistas, verdadeiros entreguistas da Pátria, deixarão apenas terra arrasada e o caos estabelecido.
quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

Mentiras de um Lacaio!



 Ouvi um dia desses na CBN, comentários da pústula do Arnaldo Jabor, dizendo que o mundo caminha para o totalitarismo. Ele disse que a democracia está ameaçada, mas não falou nada do golpe no Brasil, organizado pelo PSDB, DEM e uma banda do PMDB, com seus partidecos de aluguel e os setores evangélicos fanatizados e enlouquecidos pela grana que recebem dos pobres fiéis iludidos. 

Ai o dito cujo, lacaio da mídia nacional, diz que a culpa é do líder da Coreia do Norte, Kim Jong-um, da Síria com Bashar Hafez al-Assad, que ele acusa de sanguinário e de ter jogado aquele país numa guerra, aonde mais de 500 mi já morreram!

Mas como lacaio é lacaio, uma vez lacaio, sempre lacaio, ele tergiversa para não mostrar a verdade. Qual foi a vez que a Coreia do Norte, com seu governo, invadiu ou ocupou outros povos para massacrar, matar e roubar? Aliás, podia até ampliar a pergunta, quando foi que algum governo comunista, em qualquer época histórica agrediu outros povos? Os comunistas apenas se defenderam das agressões capitalistas, essa é a verdade! Ou os norte-coreanos vão esperar com pétalas nas mãos uma tentativa de invasão imperialista, eles tem que mostrar poderio mesmo, se não, vão sofrer novamente o que eles já sofreram com invasão japonesa e estadunidense no passado.

Foram eles os que sofreram com a invasão imperialista japonesa na segunda Grande Guerra Mundial e depois na guerra da Coreia, quando os Estados Unidos e uma frente de países capitalistas, preocupados com o Ascenso comunista na Ásia, jogou mais de 500 mil bombas na sobre as cabeças do povo coreano.

Dividiram um país, não deixaram que eles seguissem o seu rumo, autodeterminação dos povos é letra morta para o império dos Estados Unidos.

E o que dizer do povo Sírio, os Estados Unidos, França e outros mais, armaram o tal de Estado Islâmico e outros grupos, somente porque o presidente Bashar Hafez al-Assad não é um aliado deles. Como mostra imagem, eles não ligam para estes mortes, querem tirar um governo legitimo, para por no seu lugar um que vá entregar as riquezas daquele país, o imperialismo não se importam com as mortes de civis inocentes, eles querem lucrar em cima das riquezas naturais dos países periféricos do mundo.

Mas isso o sacripanta do Arnaldo Jabor não diz, tenta convencer os menos avisados que o mundo está assim, por conta daqueles que não fazem parte do “beija mão” aos líderes estadunidenses!

Quem derrubou Dilma e o Projeto de poder, que deu mais condições ao povo pobre, que ofertou mais universidades federais, que tirou mais de 35 milhões da miséria, foi justamente o imperialismo, eles precisam de governos que pautem uma agenda entreguista e que torne os trabalhadores em escravos. Contam com isso com apoio de vários lambe botas, seja no Congresso Nacional, na Justiça ou no caso agora também na Presidência com o Judas Iscariotes Temer!

Significado de lacaio. O que é lacaio: Capacho, pau mandado, puxa saco, alguém que entregaria a própria família a seus carrascos para satisfazê-lo.